sábado, 22 de julho de 2017

Bolo de Fubá–Diferente e especial

Prometi e estou cumprindo rsrsrs

Aí vai a receita, tenho ela há anos, mas não faço sempre (fiz este fim de semana).

É super delicioso!

20170722_000614


20170722_00082320170722_001238


Ingredientes:


2 xícaras de fubá


2 xícaras de leite


2 xícaras de açúcar


3/4 de xícara de óleo


4 ovos (claras em neve firme)


1 colh.  (sopa) fermento em pó (só uso Royal)

Pedacinhos de goiabada.


Em uma panela, misture o fubá, o leite, o açúcar e o óleo, até dissolver.

Coloque em fogo alto por uns minutos, depois diminua o fogo e mexendo sempre, até soltar da panela (tipo brigadeiro).

Ao ficar pronto, coloque num recipiente de vidro, para esfriar.

Atenção: misture os outros ingredientes quando a massa estiver completamente fria.

Ligou o forno?

Bata as claras em neve, adicione as gemas (uma à uma) e bata mais um pouco , acrescente o fermento, mexendo delicadamente.

  aí sim, você junta essa mistura ao fubá cozido, que já deverá estar frio.

Coloque com cuidado numa forma de anel (grande), untada com manteiga e polvilhada com fubá,

por cima da massa coloque pedacinhos de goiabada, passados ligeiramente na farinha de trigo,  para não afundar.

Forno preaquecido a 180ºC, por +-  45 minutos (dependendo do forno).

Eu espeto uma faca fina para ver se está assado.


Obrigada pela visita, volte sempre.

Red heart


quarta-feira, 5 de julho de 2017

KEFIR–Você conhece?


Estou querendo “mudas” de KEFIR, para preparar e tomar diariamente.

As “mudas” eram doadas, pois crescem todo dia, mas parece que virou moda e tem gente que vende (o que acho um absurdo).

Fiz uma pesquisa pela internet e descobri algumas coisas.


Kefir é um leite fermentado produzido a partir da ação dos micro-organismos presentes naturalmente nos grãos de Kefir.

Sua origem remonta às montanhas do Cáucaso, há séculos.

O termo kefir vem do eslavo “keif”, que significa bem-estar ou bem viver.

O kefir vem se tornando popular nas últimas décadas, principalmente em países da Europa Central.

 

O aumento do consumo em várias regiões do Brasil está relacionado às suas características sensoriais e funcionais.

Os grãos são constituídos por uma associação positiva entre leveduras e bactérias benéficas.


KEFIR - foto

 

Para produzir kefir é necessário possuir os grãos de kefir, por isso é comum a doação dos grãos pelas pessoas que produzem.

Esses grãos devem ser imersos em um substrato, que pode ser leite [de vaca, cabra, ovelha ou búfala], água com açucar  mascavo ou sucos.

A proporção indicada é de uma colher de sopa de grãos de kefir para cada meio litro de líquido.

A  mistura deve ser colocada em um pote de vidro, que não deve ser tampado, apenas coberto por um pano e mantida a temperatura média de 20ºC a 37ºC.

Para consumir um kefir mais suave, é indicado o tempo de fermentação médio de 6 horas.

Mais forte, deixar 24 ou 48 horas.

Após fermentado, o prazo de validade do kefir sob refrigeração é de até três dias.

Li que o de água não deve ser colocado na geladeira.


O sabor e o aroma do kefir variam de acordo com a ação metabólica das bactérias e leveduras presentes nos grãos.


O kefir de água pode ser produzido em água sem cloro, água de coco, contendo açúcar mascavo , prefiro esse, não tomo leite.

 

Como consumir kefir?

Para consumir o kefir é indicado passar a mistura em uma peneira para separar os grãos do líquido.

Os grãos podem ser reaproveitados para produzir um novo kefir.

A aparência do kefir é semelhante ao do iogurte e da coalhada.

Usar, sempre, garrafas ou copos de vidro, peneiras de plástico.

Não usar metal, alumínio ….


Estou a procura de quem tenha para doar e que seja perto de minha casa (não quero através dos Correios).

Se você já usa o Kefir, conte aqui nos comentários a sua opinião.

Obrigada pela visita, volte sempre.

Red heart


quarta-feira, 28 de junho de 2017

Sorteio do meu blog


maristela

(Foto Maristela)


Sorteio do meu blog, no dia do meu aniversário, clique AQUI.

A ganhadora já recebeu, vejam AQUI a postagem dela.

Obrigada pela visita, volte sempre.

De vez em quando faço um Sorteio Relâmpago, venha participar.

Red heart


domingo, 25 de junho de 2017

BC #52 semanas de gratidão

Hoje estava assistindo um programa na TV, sobre os Refugiados que estão se espalhando pelo mundo.

“Refugiados” são especificamente definidos e protegidos no direito internacional.

Refugiados são pessoas que estão fora de seus países de origem por fundados temores de perseguição, conflito, violência ou outras circunstâncias que perturbam seriamente a ordem pública e que, como resultado, necessitam de “proteção internacional”.

As situações enfrentadas são frequentemente tão perigosas e intoleráveis que estas pessoas decidem cruzar as fronteiras nacionais para buscar segurança em outros países, sendo internacionalmente reconhecidos como “refugiados” e passando a ter acesso à assistência dos países, do ACNUR e de outras organizações relevantes.

Eles são assim reconhecidos por ser extremamente perigoso retornar a seus países de origem e, portanto, precisam de refúgio em outro lugar.

Essas são pessoas às quais a recusa de refúgio pode ter consequências potencialmente fatais à sua vida”. (Fonte AQUI).


Foto GoogleRefugiados


É muito triste essa situação.

Largar tudo, casa, pertences, trabalho, parentes, amigos… e fugir, a maioria somente com a roupa do corpo.


E, pensando em tudo isso, me senti uma pessoa privilegiada, agradecida, por ter minha casa (que foi com muito sacrifício que construímos), meu trabalho (do qual me aposentei), meu conforto, minha família, meus amigos, minha liberdade (apesar do meu país estar numa grave crise, por causa de tanta  corrupção).

Espero, de todo coração, que os refugiados consigam a paz que tanto procuram.

E também que possamos ajudar, mesmo que seja com um pouquinho, porque de pouquinho em pouquinho chegamos a uma grande ajuda.


Esta postagem é minha participação nesta Blogagem Coletiva do Blog da querida Elaine.

BANNER BC 52 semanas Elaine

Participe, venha conhecer.









quarta-feira, 21 de junho de 2017

Quentão com ou sem álcool

 


Todo ano faço essa bebida deliciosa e  quentinha é ótima!

Espanta o frio rsrsr


CANECA 01


Vamos lá:

02 xíc. de açúcar

01 pau de canela

Casca (só a amarela) de 01 laranja

01 limão cortado em rodelas finas

01 pedacinho de gengibre (cortadinho)

04 cravos da Índia

Juntar tudo numa panela e deixar o açúcar caramelar.

Quando estiver dourado (sem queimar!) junte 03 xíc de água, deixe ferver bem, desmanchando todo o açucar.

Tire do fogo.

Coe.

Se não quiser colocar álcool, já está pronta.


CANECA 02


Colocando bebida com álcool.

Junte ½ litro de cachaça boa. Ferva novamente.

Usei Cachaça 51

Atenção:  tire do fogo para colocar o álcool.


CANECA 03


Delicioso quentinho ou gelado.

Minha caneca que comprei na Austrália, numa casa/loja/restaurante (alemã), lindíssima!


Obrigada pela visita, volte sempre.

Red heart


sexta-feira, 9 de junho de 2017

As mães e os filhos

Texto de Martha Medeiros

MAPA MUNDI

As mães e os filhos

“Meu filho foi morar com o pai nos Estados Unidos, me disse uma conhecida. A minha guria está em Brasília fazendo um curso, disse outra. Meu mais moço foi passar seis meses na Austrália e, quando estava por voltar, conheceu uma espanhola e agora mora com ela em Mallorca.

Até um tempo atrás, poucos podiam mandar os filhos estudar fora do país ou bancar alguma experiência extracurricular, porém hoje as frases acima se tornaram constantes: a economia do país se fortaleceu, as oportunidades de bolsas para o Exterior aumentaram e a mentalidade evoluiu. Já não se viaja para lavar pratos, e sim para se aprimorar de uma forma mais consistente.

Uma vez lá, a garotada se esparrama. Arranjam empregos fixos, iniciam relações amorosas, conseguem vistos de permanência, e vão ficando. E as mães também vão ficando cada vez mais saudosas e acostumadas, pela força das circunstâncias, a viverem separadas dos filhos.

Todas as mulheres, assim que engravidam, são alertadas: “Os filhos não são dos pais, e sim do mundo”. Acham a ideia bonita, poética, porém nunca imaginaram que a sentença viria a ser tão real, além de metafórica.

Gostamos de te-los embaixo da asa, sentados à mesa durante as refeições, dormindo tranquilos no quarto ao lado. Porém, a sina de “serem do mundo” cedo ou tarde se confirma. Durante a infância, a casa materna ainda se assemelha ao útero, mas assim que meninas menstruam e nascem os primeiros pelos nos meninos, começa o processo de valorização da própria identidade. E se eles puderem fazer isso longe da vista dos pais, tanto mais autêntica parecerá essa busca.

Ainda mais agora que o mapa-mundi se tornou facilmente alcançável, não só por avião, mas por skype. Mãe, a gente vai se falar todo dia, não chore.

E lá vai a Patrícia fazer um curso de ioga em Buenos Aires, a Victoria estuda belas artes em Paris, a Marica trabalhar com marketing me Londres, o Pedro cursar teatro no Rio, o Theo estudar cinema em Nova York, o João fazer um doutorado em Portugal, a Lina estagiar na Bahia numa empresa de Design Gráfico, o Carlos trabalhar num restaurante em São Paulo – não como lavador de pratos, e sim como assistente do Chef.

É o que queremos para eles: que cresçam, aprendam, se realizem. Não demora, serei mais uma dessas mães que terá que matar a saudades pelo computador. O que se pode fazer? Confiar que a base dada quando eram pirralhos seja suficiente para que se tornem cidadãos honestos e bem-sucedidos em qualquer parte do planeta.

Em vez de choramingar, ter orgulho de vê-los correndo atrás dos seus sonhos (e não contar para ninguém que, em segredo, a gente se pergunta: por que raios os sonhos não podem estar logo ali na Borges de Medeiros, na Avenida Ipiranga, no Moinhos de Vento?).

O mundo é do tamanho das ambições dos nossos filhos. E do nosso amor por eles, onde quer que estejam. Nesse dia das mães, meu desejo a todas: que a conexão não caia. Nem hoje, nem nunca.”

Há dez anos sou uma dessas mães! 

Obrigada pela visita, volte sempre.

Red heart



quarta-feira, 7 de junho de 2017

BC_RAIO X_ 5_2017 Olhar na família.

Participando pela segunda vez da BC do Toninho e da Silvana.

Venha também, é muito legal interagir e seguir outros blogs.

As perguntas:

A- Hoje como se vê em sua família original?

1- O chato(a)

2- O agregador(a)

3- O pacificador(a)

4- Paizão/mãezona

R:  Um pouquinho de cada.  Eu era Arrimo (filha mais velha que servia de auxílio, proteção, apoio afetivo, financeiro etc.)


B- Alguém se destaca ou destacava na sua família original, por quê?

R:  Meu pai, era meu ídolo. E a família grande se reunia em nossa casa.


C- Uma doce lembrança de toda família reunida.

R:   Perdi meu pai muito cedo, minha mãe também se foi 10 anos depois dele. Ao casar adquiri mais uma família. E tenho uma “família” de um casal amigo, muito querido. Tive  e tenho muitos momentos felizes. O melhor? Foi o Natal de 2016 que passei na Austrália, pela primeira vez com husband, filho, nora e neta, todos juntinhos.


Obrigada pela visita, volte sempre. E participe conosco.

Red heart